Branding pessoal é pensar em si mesmo como uma marca. É ser responsável por determinar a sua própria jornada. É ser o CEO de si mesmo, independentemente da posição ocupada ou atividade exercida. Personal Branding nada mais é do que a gestão da sua marca pessoal, ou seja, a gestão do seu nome, da sua reputação. É um recurso – e uma nova mentalidade – para que você possa se tornar mais expressivo no seu mercado e possa ser ainda mais lembrado e procurado pelo seu público pelo que você tem a oferecer.

Juliana Saldanha (julianasaldanha.com.br/), é estrategista em Posicionamento e Comunicação de marcas pessoais e tem como objetivo ajudar empreendedores, acadêmicos e profissionais a traçarem as suas estratégias de posicionamento e a comunicarem melhor suas propostas de valor para o mercado. Afinal, cada marca pessoal é única, por que não destacá-la em um mercado tão competitivo? É palestrante em grandes eventos no Brasil como o Festival Path, MKT Show e Conferência Amazônica e em Londres, como os organizados pelo Enterprise Nation e Uhubs. Em suas participações, ela sempre enfatiza: “A sua marca pessoal é um atalho de tomada de decisão do seu público por você e por aquilo que você tem a oferecer. E nós temos que facilitar essa escolha por nós”, argumenta. Juliana Saldanha foi co-criadora de uma startup de economia compartilhada, de uma aceleradora de startups que investiu em mais de 80 empresas e responsável pela expansão de uma empresa de tecnologia para Londres.

Ao enxergar-se como uma marca você entende que não precisa depender do Estado, do chefe, ou da economia para alcançar o que quiser, sendo você mesmo. Em um cenário com tantas mudanças, o nosso nome é o ativo mais importante que tempos. E é também o mais duradouro. Por que não cuidar dele, certo? Juliana aqui traz cinco dicas para você começar a investir agora na sua marca pessoal:

– Entenda quem você é, além do seu título

O hábito de nos enxergarmos da maneira como o mercado nos definiu por muitos anos (sou o Diretor de Vendas da empresa X ou o CEO da empresa Y), também nos limitou a ficar dentro da caixa e ter uma perspectiva pouco abrangente sobre quem somos e o que temos de melhor a oferecer. Deixar os crachás e o terno de lado, por um momento, pode nos deixar vulneráveis, mas ao mesmo tempo nos liberta e nos dá a possibilidade de explorar quem realmente somos. E quando somos por inteiro, autênticos, nos diferenciamos e nos conectamos com mais significado com quem está ao redor.

Quem você é? Qual a sua história? Como chegou até aqui? De que forma os seus amigos te enxergam? Qual a sua personalidade? Quais são as suas paixões? O que você faz bem e pode ser o melhor nisso? Explore a sua identidade. Você é mais do que o seu diploma ou o seu cargo.

– Entregue valor

Branding pessoal não é falar sobre você a todo momento. Afinal, eu não tenho tempo para saber sobre o que você faz! O que eu realmente quero saber é: de que forma o que você sabe pode me ajudar a vencer, a ser melhor, a ser mais bem-sucedido ou feliz?

Entregar valor é fundamental para que uma marca pessoal seja relevante. O que você sabe melhor do que ninguém? O que você faz, que é excepcional? De que forma o seu comportamento faz a diferença para as pessoas? Entregue valor. Nas suas ações e na sua comunicação. Compartilhe conhecimento. E se torne o número 1, sendo indispensável para o seu público.

– Não seja tudo para todo mundo

Sim, nós buscamos pertencer. Gostamos de agradar. E evitamos ser rejeitados. Mas tentar ser tudo para todo mundo é humanamente impossível e emocionalmente desafiador. Além de ser um sabotador para qualquer marca pessoal.

Porque ao final, se somos tudo para todos, não somos significativos e essenciais para ninguém. Acabamos nos diluindo, deixamos de ser quem somos e deixamos fazer o nosso melhor, de forma focada. Encontre o seu espaço. Encontre o seu nicho. E o SEU público.

– Atualize os seus perfis online

O nosso perfil online é o nosso cartão de visitas. E é, muitas vezes, o primeiro ponto de contato do nosso público com a nossa marca pessoal. O nosso papel é facilitar sermos escolhidos, mesmo por quem ainda não nos conhece.

Pra isso, é preciso que qualquer um que acesse os nossos perfis seja capaz de entender quem somos e de que forma podemos ajudá-lo (ou não). As suas fotos estão atualizadas? Elas transmitem a sua personalidade? As suas biografias estão bem escritas? Elas contam de que forma você pode me ajudar a ser melhor? O que você sabe e o que você oferece? E como eu posso te acionar? Facilite a escolha por você.

– Seja consistente

Se você quiser que sua marca seja memorável, seja consistente. A consistência é um dos fatores indispensáveis para a criação da confiança. Afinal, não confiamos mais naquele amigo que sempre está por perto e aparece quando mais precisamos?

Seja na escolha das suas fotos de perfil, nas cores que usa, na forma como se comporta ou na frequência com que você compartilha conhecimento nas redes sociais, seja consistente. A consistência gera familiaridade. E confiamos – e somos influenciados – pelo que nos é familiar.

Juliana atua com Consultoria, Cursos e Workshops, em 2018 foram mais de 200 alunos nas 17 turmas no workshop e dezenas de clientes de estratégias. Recentemente lançou o seu curso online e hoje tem mais de 100 alunos ativos.

PUBLICIDADE
COMPARTILHAR